Viajandão

O mundo é um verdadeiro labirinto
Pra Minotauro nenhum botar defeito
Não quero me vangloriar pelos meus feitos
Mas preciso expressar o que eu sinto
É uma dor bem dentro do meu eu
Dói no peito e o jeito é viajar
Seja no Largo do Atheneu
Ou no Estreito de Gibraltar
Quando penso por onde fui
Tudo é massa, tudo flui
Lembrando Ávila e aquele aqueduto
Não fico mais triste, não fico mais puto
É assim com Machupicchu e com a Toscana
E com a Sagrada Família de Gaudi
Mas também eu encontro logo ali
Paisagem sem tal fama e tão bacana
Conheci até a Patagônia
E lugares sem fim no mundo inteiro
Mas pergunto se existe na Estônia
Um lugar como cá o Oitizeiro
Me fascina cada lugar e sua gente
Minha sina é encontrar em cada esquina
Um muro que vira Muralha da China
Uma ilha que vira um continente
Sinto saudades do que não conheço
Sinto tanto, mais tanto, que padeço
Um pombo na praça me comove
O desejo de conhecer tudo me move
O poema chega ao fim e mal rimado
Ficando cada vez mais emocionado
Gritando puta que o pariu
Sofrendo por rimar o que não viu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.