Extraviada 11

Oi, miga.

Estou bem, não se preocupe. Assim como você, tenho estranhado a realidade do planeta, que consegue ser sempre mais bizarra aqui neste recanto tropical. Como chegamos a isso? Por favor, não me faça perguntas difíceis. Está surreal demais. Qualquer dia, a gente ganha o Oscar de melhor roteiro original com um reality show.

Obrigado pelo convite, mas por enquanto desisti de voltar ao mundo civilizado. Também não tenho resposta a lhe oferecer, caso você queira saber o motivo da decisão. Deve ser coisa dessa tal pulsão de morte, que nunca consegui entender direito. Mas também pode ser só efeito colateral de todo o glifosato que tem na comida daqui. Sou caso perdido, você sabe. Ainda que a vida seguisse um curso normal, eu seria reprovada por falta.

O mundo está pelo avesso e isso tem abalado meu ceticismo. Seria ótimo ter algo para acreditar ou alguém para culpar além de mim mesma. Estou confusa. Já não tenho certeza de nada. A vizinha evangélica aposta no fim dos tempos; o coach está certo de que é tudo efeito de mercúrio retrógrado; o psiquiatra diz que é síndrome delirante.

Dei para ver sinais apocalípticos em tudo. E não me refiro ao fato de, diante de uma crise mundial de saúde, um grupo terrorista ter se mostrado mais ajuizado que alguns presidentes. Se disser que me surpreendi, estarei mentindo. O fato é que tem muita coisa estranha acontecendo: Lobão anda falando com sensatez, a academia deu o prêmio maior a um filme estrangeiro e o papa mais cool de todos os tempos virou ameaça comunista.

Não sei se assusta mais a epidemia de estupidez ou o novo vírus. Mas se existe algo de positivo nisso tudo – além de desmascarar o discurso que deixa o cidadão à mercê dos caprichos do mercado – é que finalmente descobri uma vantagem na minha obsessão em lavar as mãos. O lado negativo é que o TOC estava sob controle e voltou com força. Tentarei o reembolso das sessões de terapia.

É isso. Para o bem ou para o mal, agora estamos finalmente no mesmo barco. E não tem portão, muro de condomínio, carro blindado, crença, raça, gênero, plano de saúde, sala VIP ou arma que proteja ninguém. A peste é radicalmente democrática.

Se cuida, miga. Bjs.

Posted in Água de Chocalho.

One Comment

  1. SANSACIONAL!! Amei o desfecho, “a peste é radicalmente democrática”! Veio em arraso!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *