Extraviada 10

Querido filho,

Escrevo-lhe pedindo que não me envie mais notícias desse país que também já foi meu. Antes as ilusões da memória afetiva às verdades de um mundo que não compreendo. Estou velha e cansada demais para tanta realidade.

Nunca me conformei com sua decisão de morar com o pai a um oceano de distância. O que me confortava era a ideia de imaginá-lo crescendo numa terra de liberdade e tolerância. Repetiram esse mantra mil vezes e eu acreditei. Todo mundo acreditou. A partir de hoje, escolho a desinformação. Poupe-me das últimas notícias. O tempo já me tirou quase tudo. Deixe em paz o que restou de minha utopia tropical.

Sei que minha terra também tem suas mazelas. Mas pense com carinho em voltar. Aqui também é sua casa. Como você diz, somos chatos, sem graça e muito fechados. Concordo. Não sabemos jogar futebol, não temos carnaval nem molejo. Somos quadrados mesmo. Neste canto do velho mundo não se ostenta a ignorância com orgulho; trata-se a ciência com respeito e a história ainda é levada a sério. Sim, falta material para nossos comediantes e chargistas, o que nos faz ainda mais desinteressantes. Para piorar, não consideramos a orientação sexual das pessoas uma ofensa. Isso deve contribuir com a falta de animação das redes sociais. Paciência. Nossos vinhos são melhores.

Não sei se entendi bem, mas pelo que você falou, a novidade por aí é a promoção da abstinência sexual. Lamento pelas novas gerações. Tudo o que se pode conseguir reprimindo o sexo é aumentar a demanda de atendimento psiquiátrico. Não me interprete mal. Acho até que o sexo é supervalorizado hoje em dia, mas será que não bastaria um simples “trepe com moderação”?

Cuide-se, filho. Nesses tempos de ódio, evite discutir com os mais radicais. É inútil. Não esqueça que um extremista é alguém que só se sente livre na escravidão da própria crença. E tudo é ameaça para quem vive na defensiva. Escolha bem suas companhias e evite as drogas pesadas. Certas portas nunca devem ser abertas. Mas antes o álcool ao pensamento binário. Para o vício no primeiro, existe tratamento.

Com amor,

Mom.

Posted in Água de Chocalho.

3 Comments

  1. Fernando seus artigos são como bálsamo em meio a tanto mal gosto ignorância desinformação e má fé que se consegue ver uma luz no fim do túnel com a certeza que não é um trem. Mesmo ja nos sentindo órfãos felizmente ainda temos flash de de bons artigos entre eles os seus para mim um primor só tenho a dizer parabéns.

  2. Fefe , amo seus textos e sua capacidade de nos fazer ainda encontrar humor na palavra que descreve a tragédia brasileira . Pelo menos o humor escapou da mentira que nos contaram durante decadas e décadas sobre nos mesmo. Nos fizeram crer na nossa tolerancia e amor a diversidade , e descobrimos que não passavam de uma ilusão. Hoje sinto me como uma estrangeira neste país , não o reconheço nem me reconheço como brasileira . E como ter perdido minha identidade nacional , de certa forma . Onde o país da ‘utopia tropical ‘ ? Sua fina sensibilidade traduziu muito bem o sentimento de orgulho da ignorância , exibida e cantada como um troféu ! E agora começa a guerra contra o corpo e seus prazeres , a hostilidade ao sexo que a igreja católica prega ha 2 mil anos . São as trevas expulsando p sol ! Estou lendo um livro fantástico chamado ‘ Eunucos no Reino de Deus, A igreja católica e sexualidade de Jesus a Bento XVI’ , De uma Alema que foi a primeira professora universitária de teologia católica do mundo . Mesmo
    sabendo que o ódio ao sexo foi e é um
    Preceito católico , ler diretamente todos os textos canônicos e ouvir tantas histórias de terror e perseguição , ardilosamente tramadas pelos papas , bispos , padres e teólogos , e profundamente assustador e revoltante . Depois da intenção declarada de confinar ambientalistas , será que o próximo passo será transformar homens ( de esquerda , bien sur !) em Eunucos e mulheres em cinzas , queimadas como bruxas ?

  3. Genial, como sempre … Pra quem não sabe, esse brilhante colunista é um virtuoso baterista…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *